PARA MAIORES: UM RESTAURANTE EM PÓVOA DE VARZIM ONDE SE COME COM ARTE

PARA MAIORES: UM RESTAURANTE EM PÓVOA DE VARZIM ONDE SE COME COM ARTE

Egoísta no nome, mas generoso em todo o resto. Conheça esse restaurante em Póvoa do Varzim onde se come com arte, literalmente

É em Póvoa de Varzim, no Norte de Portugal, mais precisamente no Casino da cidade, onde instalou-se esse restaurante contemporâneo e de ares cult. À frente do Egoísta está o chef Hermínio Costa, angolano nascido na pequena cidade de N’Dalatando, local onde o pai possuía uma peixaria. Daí pra frente, a paixão pelas ‘coisas do mar’ tem sido demonstrada há mais de uma década em sua cozinha: tem o mar e o porto de pesca da Póvoa como vizinhos.

Carabineiro do Atlântico, foie gras, geleia do mar, esferas de wasabi e lúcia-lima

Contudo, o percurso andarilho de Hermínio ampliou-lhe a paleta de sabores e aguçou-lhe a curiosidade: é um grande entusiasta de viagens, de conhecer os mercados locais, o que as pessoas comem e portanto, inspira-se muito nessa ‘miscelânea’ de culturas e sabores do mundo.

O Chef Hermínio Costa

Voltamos ao nome do restaurante: Egoísta. A explicação é simples, porém poderiam-se indagar muitos outros significado ocultos. Egoísta por permitir apenas a entrada de maiores de 18, uma vez que está dentro do Casino da Póvoa; Egoísta por não oferecer uma comida de partilha, tão na moda hoje em dia; Egoísta por ter várias obras de arte no salão do restaurante (já lá vamos), que só podem ser contempladas por quem lá vai… mas não é nada disso! É homónimo de uma influente revista local. E nada mais.

Bacalhau à Conde da Guarda: bacalhau negro do Alasca, bisque de lagostins e clorofila de coentros

No fundo, o Egoísta propõe uma variedade de sabores inspirados na cozinha tradicional portuguesa, numa rendição ao património gastronómico português e à qualidade dos seus produtos. Mas a abordagem do chef não se esgota no receituário tradicional.

Pregado de mar, batata parisiense, geleia de beterraba e espinafres

A nova carta é uma ode ao mar, a Portugal e ao Outono/Inverno. Hermínio Costa é hábil em aproveitar os produtos sazonais e trazer a cor das estações para os pratos. É mais hábil ainda em revisitar a culinária portuguesa, com técnicas da cozinha clássica francesa. A isso, somam-se as experiências ‘mundanas’, a criatividade aflorada e a paixão pelo que faz há mais de duas décadas.

Black angus com purê de feijão mungo, sementes de sésamos, cogumelos brancos e redução do vinho do Porto

Na carta renovada, própria para os dias mais frios, há dois menus degustação: de quatro (50 €) e de seis pratos (80 €). Os “prazeres Egoísta em degustação” começaram com um abre-bocas muito saboroso, de ovo de codorniz escalfado com caldo de galinha e trufas; e ainda um carabineiro do Atlântico, foie gras, geleia do mar, esferas de wasabi e lúcia-lima. Seguiu-se com um bacalhau negro do Alasca, bisque (espécie de sopa mais encorpada) de lagostins e clorofila de coentros, ao que o Chef chamou a Conde da Guarda. Na sequência de peixes da costa, um fresquíssimo pregado de mar, batata parisiense, geleia de beterraba e espinafres, que era de chorar por mais. Dos pratos com “brilho outonal”, chegou à mesa um maravilhoso medalhão de black angus com purê de feijão mungo, sementes de sésamos, cogumelos brancos e redução do vinho do Porto. No ponto!

A sobremesa, Ilha de Madagáscar

Uma pausa que antecedeu aquela que viria a ser uma das sobremesas mais incríveis que já comi na vida… e mais bonitas, também. Eis que surge um carrinho com queijos para “limpar o paladar”. Tudo acompanhado de excelentes vinhos portugueses. É chegada, então, a hora do grande (e doce) final, ao que recebeu o singelo nome de Ilha de Madagáscar: uma sobremesa feita com chocolate de Madagáscar, café e creme de alcaçuz. De comer rezando!

Quanto às obras de arte, espalhadas pelo salão, estão uma requintada coleção que pertence ao Casino da Póvoa, onde podem-se contemplar Alberto Carneiro, Nikias Skapinakis, Rogério Ribeiro e Moita Macedo, entre outros artistas. Um luxo!

Obras de arte de Alberto Carneiro, Nikias Skapinakis, Rogério Ribeiro e Moita Macedo, entre outros artistas

E assim faz-se um restaurante de charme, inspirado nos sabores únicos da costa portuguesa. Uma visita ao Egoísta é muito mais do que uma refeição. Trata-se de uma experiência única a viver vezes sem conta, daquelas que apetece pegar o carro ou comboio neste exato momento, e rumar ao Norte do país só para poder comprovar que vale mesmo a pena.

O Egoísta abre apenas ao jantar, de quarta a sábado, com serviço à carta e dois menus de degustação, pensados para quem é viajante e eremita, tal qual o Chef Hermínio Costa; e assim, dessa dualidade e contraste nasce a sua cozinha. Única. De origem, informada e criativa. E no caso do Egoísta, para maiores de idade.

Restaurante Egoísta
Edifício do Casino da Póvoa de Varzim – Póvoa de Varzim
T 252 690 888 | 252 690 871
Horário: Quarta a Sábado, das 20h às 22h30
restauranteegoista.com

No Comments

Post A Comment